sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Governo paulista fecha acordo que inclui uso de criptomoedas

O Governo do Estado de São Paulo assinou nesta quinta-feira, 14, parceria com a empresa norte-americana CG/LA Infrastructure para realização do Ilumina SP – projeto do Governo do Estado para oferecer, aos municípios interessados, modelo de Parceria Público-Privada de iluminação pública. A proposta do Estado é impulsionar a modernização da iluminação pública nas cidades oferecendo estudos de viabilidade atraentes à iniciativa privada, mas que também gerem receita aos municípios, reduzam custos e melhorem o serviço para a população.

“Sabemos que existem muitas demandas de PPP em iluminação, mas fazer PPP não é fácil, requer um conjunto de estudos, de engenharia, tecnologia e, principalmente, como adaptar os postes atuais e a eletrificação para um sistema de smart city”, comentou Karla Bertocco, subsecretária de Parcerias e Inovação. “Uma grande preocupação do Estado de São Paulo é que diferentes cidades que implementarem a PPP façam com a mesma linguagem ou com linguagens compatíveis. Porque quando se tem esse conceito de cidades inteligentes, que inclui além de energia, o wifi e também sistema de monitoramento por câmera, se cada um fizer de uma maneira, acabamos perdendo uma oportunidade de ter uma informação integrada e, com isso, melhorar os serviços públicos, inclusive do Estado, como a segurança pública e gestão de congestionamento”, explicou.

A grande novidade é que o projeto será financiado, em parte, com solução em blockchain e criptomoedas, e todo pago pela empresa CG/LA Infrastructure, que vai financiar e doar os estudos para o Estado, que por fim oferecerá consultoria gratuita às prefeituras. Serão investidos até US$ 1 milhão na contratação de serviços técnicos locais, nos municípios, para identificar necessidades de infraestrutura e de padronização de documentos licitatórios, criando um modelo público de referência.

“Vamos fazer um conjunto de estudos que inclui todo o trabalho de engenharia, infraestrutura existente, tecnologia viável, toda a parte financeira, e entregar para os municípios que quiserem implantar”, descreveu Bertocco.

Atualmente, é de responsabilidade dos municípios instalar e manter a iluminação pública. Por falta de recursos, muitas vezes a prestação do serviço é ineficiente, causando problemas de segurança e gastos elevados pelo consumo de energia elétrica. Por isso, o Governo irá apoiar os municípios na estruturação de soluções em iluminação pública.

Serão escolhidos municípios acima de 100 mil habitantes que estejam aptos a receber apoio para os estudos. Essas cidades servirão de referência para uma espécie de cartilha de como fazer parceria com a iniciativa privada na área de iluminação. A ideia é que os municípios tenham em mãos um formato padronizado de licitação e possam contratar, individualmente ou em consórcio com outras cidades, dando escala aos projetos. Em 90 dias, serão anunciados os municípios escolhidos e um plano de trabalho para a confecção dos modelos de iluminação pública. A conclusão deverá durar de seis a oito meses.

Uso de criptomoedas

Pela primeira vez, o Governo se abre ao estudo da utilização de criptomoedas, e inicia no mercado da infraestrutura. Dentre as mais de 1.300 iniciativas, a BuildCoin, criptomoeda utilizada, busca criar um ativo digital específico para a área de infraestrutura. Está sendo desenvolvida pela BuildCoin Foundation, entidade sem fins lucrativos, a ser estabelecida na Suíça, que pretende captar em 2018 aproximadamente USD 59,4 milhões para as atividades de desenvolvimento das soluções, financiamento de obras e construção de um meio de pagamento para o setor. Buscam, com isso, melhorar a integração do mercado de construção civil, reduzindo os custos transacionais, garantindo o uso de contratos inteligentes entre os elos da cadeia e promovendo um fundo de financiamento para as empreitadas registradas na sua plataforma sem a cobrança de juros.



quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Inflação dos supermercados tem queda histórica

O Índice de Preços dos Supermercados (IPS), calculado pela APAS/FIPE voltou a cair em novembro, após a alta em outubro, com variação de 0,80%. A redução no mês foi causada pela queda generalizada no preço dos alimentos, principalmente os hortifrutigranjeiros (2,52%) e industrializados (0,93%).


Com esta redução, o Índice acumulado chegou a uma queda de 2,56% para o mês de novembro, o que representa a maior redução desde a criação do Plano Real, em 1994. A baixa acumulada do leite (11%) e dos cereais, tais como arroz (7,36%) e, principalmente, o feijão (37,81%), foram recordes e também contribuíram para os resultados. Das dez maiores quedas em 2017, nove são deste grupo - com reduções de até 55%.

“Nunca observamos tamanha queda de preços e tão generalizada em produtos de grande peso na mesa do paulista como neste final de ano”, explicou Rodrigo Mariano, economista da APAS, que ainda completou. “Os principais motivos passam pelo lado da oferta, com a supersafra brasileira ocorrida ao longo do ano, fruto das condições climáticas extremamente favoráveis, e pela demanda, uma vez que o brasileiro continua a cortar consumo para conseguir pagar as contas e chegar com as finanças em dia no Natal.”

A projeção da APAS para o mês de dezembro e o fechamento do ano é uma inflação com queda acima de 2%, resultado extremamente relevante, pois seria a primeira queda acumulada de preços desde 2009, sendo a maior em um ano já vista na série histórica desde 1994.

“A produtividade da agroindústria brasileira, aliada ao clima, gera uma oferta muito mais alta que a população tinha condições de absorver pelo castigo sofrido ao longo do ano, fruto do desemprego alto, que resultarão nestes números e fatos significativos”, destaca Rodrigo Mariano.

Produtos semielaborados (Carnes, Leite e Cereais)
As carnes bovinas caíram 1,66% e os suínos 1,81%. Já as aves subiram 2,99% em novembro, puxadas pelo frango, que subiu 3,11%. Vale ressaltar que mesmo com as compras de final de ano, que se concentram nas aves, o peru continua com redução de 5,54% em 2017. Já o frango, apesar da alta no mês, ainda está com redução acumulada de 3,45% no ano.

Produtos industrializados
Reduziram 0,93% no mês de novembro, com variação negativa em quase todas as subcategorias. Cafés (2,14%) e doces (2,11%) tiveram praticamente a mesma queda. Porém, os maiores responsáveis pela redução do IPS dos produtos industrializados foram o achocolatado em pó (4,64%) e o sorvete (4,56%).

Produtos in natura

Após um outubro com aumento de 7,92%, os produtos In Natura apresentaram queda de 2,52% em novembro. Os legumes foram especialmente responsáveis por esse número, pois, após subirem 7,2% em outubro, reduziram 9,41% no mês passado. As frutas caíram 1,37% e os tubérculos aumentaram 0,38%. Dessa forma, no acumulado do ano, os hortifrutigranjeiros têm redução de 3,96%.

Bebidas não alcoólicas
Caíram 0,18% em novembro, porém, permanecem subindo 1,62% no ano, puxados pelos refrigerantes, com alta de 2,35%.

Bebidas alcoólicas
Surpreenderam e caíram 1,83%, com a redução de 2,25% no preço da cerveja. Ainda, sim, o aumento é de 1,99% nos últimos 12 meses, sendo a cerveja a principal responsável, com alta de 2,51%.

Produtos de limpeza
Apresentaram redução de 0,48% em novembro. No acumulado de janeiro a novembro a queda é de 1,24%.

Artigos de higiene e beleza
Aumentaram 0,29% em novembro. Porém, no acumulado do ano, a redução é de 0,90%.

TOTVS democratiza acesso à inteligência artificial

Os primeiros passos da inteligência artificial rementem à Alan Turing, matemático britânico, que desenvolveu em 1940 uma máquina capaz de decifrar o “Enigma”, código utilizado pelos nazistas, durante a Segunda Guerra Mundial, dando assim aos aliados uma vantagem que permitiu derrotar mais depressa a Alemanha. Hoje, a inteligência artificial (IA) é capaz de, com base na análise de inúmeros dados, tomar decisões de forma automatizada seguindo a lógica humana.

No entanto, até pouco tempo a IA aplicada aos negócios era cara e estava restrita às grandes empresas – pioneiras na adoção de novas tecnologias. Exatamente como aconteceu com todas as inovações tecnológicas, que só depois de algum tempo se tornaram acessíveis financeiramente às empresas de menor porte.

Porém, a TOTVS quer mudar essa lógica dos negócios e está levando sua plataforma de dados e inteligência artificial, a Carol, ao mesmo tempo, para todos os portes e segmentos de empresa - sejam elas grandes ou micro.

O objetivo é que sua tecnologia de IA seja de fácil adoção e uso às empresas tanto quanto as soluções de IA da Apple e do Google são para as pessoas. As recomendações personalizadas dessas tecnologias fazem com que tenhamos expectativas mais altas sobre as máquinas inteligentes e dispositivos que usamos.

Essa mesma facilidade de uso e inteligência é esperada pelos usuários dos sistemas de gestão ou de qualquer outro software corporativo. Para atender a essa demanda dos usuários e possibilitar o acesso de forma rápida e acessível financeiramente, a plataforma da TOTVS lançada em junho, está sendo embarcada nos sistemas da companhia.

Desta forma, o proprietário de um food truck poderá ter acesso aos insights trazidos pela Carol sem precisar investir uma alta quantia na tecnologia. Basta adotar o Bemacash, solução única de ponto de venda voltada aos micro e pequenos varejos da TOTVS, para obtê-los. Assim, sempre que o empreendedor registrar um novo produto no Bemacash, receberá uma notificação, dentro do próprio software, com sugestão de preço. Para checar à essa recomendação, a Carol avalia o mercado-alvo, concorrência, custos, sazonalidade, entre outros fatores para tomar a decisão e facilitar o processo de precificação do microempreendedor.

Esse é apenas um dos processos que a plataforma de IA da TOTVS simplificará no dia a dia das empresas. E, quanto mais organizações usarem a tecnologia, mais inteligente e assertiva ela será em suas sugestões e tomadas de decisões.

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Rede de supermercados Coop anuncia investimentos

A Coop – Cooperativa de Consumo, a maior rede de supermercados do ABC,  anunciou nesta manhã (12) que pretende investir R$ 94 milhões em 2018. Desse montante, mais de R$ 90 milhões serão investidos na região do ABC, com a inauguração de uma nova loja ainda no primeiro semestre, nove drogarias de rua e um posto de combustível, além da modernização de suas lojas e da área de TI (Tecnologia da Informação).

Marcio Valle: "Os investimentos serão concentrados no ABC" 
De acordo com o diretor-presidente Marcio Valle, o interesse em abrir nova lojas no interior de São Paulo continua, mas no momento as novas oportunidades surgiram na região do Grande ABC, onde detém 25% de share e maior número de unidades.

A previsão da Coop é encerrar este ano com crescimento nominal de 4% e fornecimento (faturamento total) de R$ 2,2 bilhões. Durante 2017, a Coop inaugurou duas lojas com investimento total de R$ 19,7 milhões, e outras duas drogarias, sendo que a terceira deste ano abrirá suas portas na próxima quarta-feira (20) em Santo André, no Centro.

Num prazo de quatro anos, a Coop deverá chegar a 80 drogarias, praticamente o dobro da estrutura atual de 44 unidades, sendo 31 anexas às lojas de autosserviço e outras 13 de rua. O programa de expansão está respaldado num estudo de oito meses conduzido por consultoria especializada, que reavaliou o modelo de negócio até então desenvolvido pela empresa. “O setor drogaria já detém participação de 17% no faturamento geral da rede, percentual que vem aumentando desde 2013 com a investida da Coop na instalação de drogarias de rua”, revela Marcio Valle.

Nos últimos dois anos, a Coop vem investindo pesado na modernização de suas lojas. Atualmente, 60% das lojas instaladas já foram contempladas com o projeto de reforma e modernização. Só neste ano, foram investidos R$ 40 milhões em seis unidades, dotando as estruturas com novas tecnologias em frio alimentar, iluminação e ar condicionado, além de outras melhorias. Os investimentos realizados desde 2015, quando o projeto modernização foi lançado, já representa economia de 25 kw/h entre 2016 e 2017.

Também neste ano, a Coop inaugurou a primeira unidade de cafeteria NESCAFÉ® Espresso no Brasil, em parceria com a Nestlé, localizada na unidade Industrial, em Santo André, além do serviço de rotisseria, na mesma unidade.

“Graças aos programas Troco do Bem e Revista Coop, em 2017, a Coop ultrapassou a marca de R$ 2,2 milhões em repasse à Federação das APAEs, ajudando na melhoria da qualidade de vida dos 3.175 assistidos de 10 unidades da APAE instaladas nas cidades onde a Coop possui unidades de distribuição (Região do Grande ABC, Sorocaba, São José dos Campos, Piracicaba e Tatuí). Neste ano, a Coop também doou R$ 350 mil para 19 entidades beneficentes e desde que foi lançado em 2002, o programa de responsabilidade social da Coop já beneficiou 240 instituições do Grande ABC e Interior de São Paulo com verba de mais de R$ 4,85 milhões”, completa o diretor-presidente.


segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Sebrae oferece educação empreendedora em São Caetano do Sul

Da Redação

São Caetano do Sul está entre os mais de 100 municípios que assinaram termo de parceria com o SEBRAE Nacional para implementação de um programa de educação empreendedora. A chefe de gabinete Marisa Catalão, a secretária de Educação, Janice Paulino, e a diretora de Comunicação da Câmara Municipal, Luciana Patara, representaram a cidade.

Representantes de São Caetano e Paulo Skaf | Foto: Divulgação 

O Programa JEPP (Jovens Empreendedores Primeiros Passos) está sendo ampliado e tem por finalidade a difusão e fomento da Cultura Empreendedora nas Instituições de Ensino formais ou através de projetos educacionais realizados por instituições não governamentais que atuam sem fins lucrativos.

O programa prevê capacitação de professores que serão os responsáveis por replicar a metodologia aos alunos. É totalmente gratuito aos municípios e personalizado às necessidades e culturas locais. 

Na ocasião, o presidente do Sebrae Paulo Skaff falou sobre a velocidade das transformações no mundo. Pesquisas recentes apontam que nos próximos 100 anos, a humanidade terá mais mudanças do que nos últimos 20 mil anos. Para isso, gestores precisam preparar suas cidades e, principalmente as crianças, para as novas realidades e tecnologias.



Lei de Incentivo Fiscal beneficia empresas em São Bernardo do Campo

Por Vitor Lima

Foi aprovada, no último dia 6, a Lei de Incentivo Fiscal em São Bernardo do Campo. Por unanimidade, os vereadores da cidade aprovaram a matéria proposta pelo Executivo que reduz o valor do Importo Predial e Territorial Urbano (IPTU) para empresas que gerarem empregos. 

O projeto prevê desconto de 5% para empresas que gerarem, no mínimo, 20 postos de trabalho. Para organizações que empregarem mais de 50 pessoas, o desconto será de 7%; para companhias que contratarem 500 novos funcionários, haverá abatimento de 20% e para aquelas que criarem mais de mil vagas, o desconto será de 30%.

Foto: Gabriel Inamine

 As empresas terão de 1º de abril a 30 de junho do ano que vem para comprovarem a geração de emprego. No fim de 2018, será checada a manutenção deles e, se comprovada, o desconto no IPTU virá em 2019. Os abatimentos podem ser usufruídos por até cinco anos, porém, mediante a comprovação de a abertura de emprego e a sua preservação. O desconto será reavaliado anualmente, conforme os dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

Na véspera da votação da matéria pelo Legislativo, o prefeito da cidade, Orlando Morando, esteve na Associação Comercial e Industrial de São Bernardo do Campo (ACISBEC) para apresentar o projeto aos empresários do município. O presidente da ACISBEC, Valter Moura, disse que a medida vem em momento importante para os setores do comércio e indústria, já que o cenário econômico começa a dar sinais de crescimento. “Com projetos de benefício fiscal, as empresas produzem mais, trazem emprego, renda e desenvolvimento”, afirma.

Morando detalhou que com a medida abre mão de arrecadar cerca de R$ 10 milhões, porém a receita voltará por meio de outros recursos. “Se as empresas gerarem mais empregos, a economia gira melhor, reflete no comércio e serviços e ganhamos com ISS”, explica.



sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Dicico inaugura unidade no formato “Multi” em Diadema

Da Redação

Ontem (7), a Dicico inaugurou mais duas lojas com o formato Dicico Multi, localizadas na Av. Radial Leste, capital paulista, e em Diadema. Os clientes terão uma nova experiência de compra, baseada no conceito de loja de vizinhança, que é próxima, com atendimento diferenciado e novidades em produtos e serviços para solucionar todas as necessidades do dia a dia da casa.

“A Dicico Multi tem tudo para quem quer fazer reformas e manutenção. Nesse novo modelo de loja, mantivemos todas as fortalezas da Dicico que são valorizadas pelos clientes, desde preço baixo até atendimento, e agregamos ainda mais na ampliação da variedade de produtos”, afirma Eduardo de Vries, Diretor Presidente da Construdecor, companhia que opera as lojas Dicico e Sodimac no Brasil. Nesse sentido, destacam-se na Dicico Multi as novas áreas Jardinagem e Pet, com acessórios e alimentos para cães e gatos. Outra inovação é o Centro de Cores, onde a marca própria de tintas Kolor é preparada na hora, com mais de 100 mil cores vendidas no mesmo preço que a tinta branca.

Unidade de Diadema já conta com o novo padrão da Dicico | Foto: Divulgação
Em relação ao portfolio de produtos, estão disponíveis as diversas marcas e tendências em pisos e revestimentos, acessórios para cozinhas e banheiros, materiais elétricos e hidráulicos, portas e janelas, ferramentas e ferragens, equipamentos de proteção individual, itens de iluminação, climatização e organização da casa.
  
Sobre o conceito de loja de vizinhança, Eduardo de Vries explica que “a Dicico Multi tem o objetivo de estabelecer uma relação de vizinho para vizinho com os clientes dos bairros onde as lojas estão instaladas. Queremos que eles se sintam na casa de um amigo e venham nos visitar não somente quando fazem uma reforma, mas sempre que precisarem de qualquer produto ou apenas para conferir as novidades e tomar um café com nossa equipe”. 

Para isso, os vendedores especialistas estão à disposição para apresentar a melhor solução ao cliente, seja para pequenas reformas ou para as diversas demandas que surgem no dia a dia, como uma troca de lâmpada ou serviço de chaveiro – um dos muitos serviços disponíveis. Há também serviços de instalação de pisos, revestimentos, portas, janelas, ar-condicionado, louças sanitárias, metais, luminárias, ventiladores, chuveiros e churrasqueiras, além de mão de obra para pinturas em geral. Tudo é pago diretamente para a loja, que oferece garantia sobre o serviço contratado.

Para completar, na Dicico Multi, é possível alugar máquinas e ferramentas, que vão desde parafusadeiras até andaimes, e contar com o serviço de corte de tubos, correntes, fios, lonas, telas de mosquiteiro e passadeiras (tapetes).